Fast Bio: William S. Burroughs

Outubro 30, 2017/Blog

Nome: William Seward Burroughs II

(Nasceu em St. Louis, no Missouri, a 5de Fevereiro de 1914 e morreu em Kansas a 2 de Agosto de 1997)

Nacionalidade: Norte-americano;

Escola: Frequentou a escola John Burroughs em St. Louis; De seguida ingressou na Los Amos Ranch School, um internato para filhos de ricos, no Novo México, onde se viu confrontado com alguns problemas existenciais, como a sua própria sexualidade, que o fizeram regressar a casa, terminando o ensino secundário na Taylor School, em Clayton, Missouri; Acabou por sair de casa ao ingressar na Universidade de Harvard onde estudou inglês e antropologia; Formou-se em 1936;

Vida: William nasceu numa proeminente família de St. Louis no Missouri, era neto do inventor e fundador da Burroughs Corporation; Saiu de casa em 1932 para estudar na Universidade de Harvard; Enquanto aí esteve foi muitas vezes a Nova Iorque onde conheceu a subcultura gay e teve acesso à heroína da qual viria a ser dependente; Depois de se formar em Harvard, os pais de William decidiram dar-lhe uma mesada; Burroughs viveu desta mesada nos 25 anos seguintes; Decidiu viajar para a Europa e durante essa estadia envolveu-se na cultura LGBT húngara e austríaca de Weimar; Quando voltou para os EUA viveu em Chicago por uns tempos voltando depois para Nova Iorque; Foi nesta altura que conheceu Joan Vollmer e a sua amizade com Allen Ginsberg e Jack Kerouac se tornou sólida; Os três, viriam a protagonizar o nascimento da Geração Beat que, mais tarde, seria crucial para a contracultura dos anos 60; Nos anos seguintes viveu no México, na América do Sul, em Tânger, Paris e Londres; Em Tânger descobriu um novo mundo de drogas que naquele país eram lícitas o que seduziu Burroughs a lá permanecer durante quatro anos; Em Paris viveu no “Beat Hotel”, um degradado hotel no Quartier Latin partilhado por vários escritores e artistas que levavam uma vida desregrada; Em 1960 mudou-se para Londres onde se submeteu a uma cura para o seu vício de heroína; De regresso aos EUA voltou para Nova Iorque, foi professor durante um semestre mas depressa desistiu de dar aulas; Voltou a consumir drogas e foi escrevendo crónicas sociais para revistas, o que lhe permitia sustentar o vício; Tornou-se amigo de Andy Warhol, Lou reed, Patti Smith e Susan Sontag; Em 1983 foi eleito para a Academia Americana e Instituto de Artes e Letras e em 1984 recebeu a Ordem das Artes e Letras em França; Nesta altura já Burroughs se tinha mudado para o Kansas, onde permaneceria o resto da vida; Burroughs deve muita da sua reputação à defesa da subversão dos sistemas morais, políticos e económicos da sociedade moderna americana; A sua escrita era sardónica e humorística e Jack Kerouac descreveu Burroughs como “o maior escritor satírico desde Jonathan Swift”; Nos seus últimos anos produziu várias obras de arte que vieram a estar em exposição nos mais importantes museus do mundo; A sua última aparição em filme acontece em 1997 no vídeo da música “Last Night On Earth” dos U2; Burroughs acaba por morrer no mesmo ano, na sua casa em Lawrence, Kansas, depois de sofrer um ataque cardíaco; Tinha 83 anos;

A morte de Joan Vollmer: Em Nova Iorque viveu com Joan Vollmer num apartamento que compartilhavam com Jack Kerouac e a sua primeira esposa, Edie Parker; Durante este tempo Burroughs começou a usar morfina e ficou viciado, ao mesmo tempo que Vollmer se tornava viciada em Benzedrine; A relação de ambos foi complexa e cheia de percalços emocionais de ambas as partes; Vollmer acabou por engravidar e em 1947 nasce o filho de ambos: William S. Burroughs Jr.; Passados uns tempos decidiram ir viver para o México mas a situação foi piorando e foi aqui que, numa noite em que ambos estavam bêbedos, Burroughs matou Joan por causa de um jogo no qual ela pôs um copo na cabeça para Burroughs lhe acertar com um tiro; O tiro matou Joan quase imediatamente depois de ser atingida; Após o incidente William negou que tal tenha acontecido e disse que a arma tinha disparado acidentalmente; Esteve 13 dias preso até que o irmão chegou à Cidade do México e subornou advogados e funcionários mexicanos que o libertaram sobre fiança; Entretanto duas testemunhas concordaram alegar ter assistido ao disparo acidental da arma e Burroughs foi a apenas condenado dois anos de prisão com pena suspensa; O filho foi entregue aos avós e passou a viver com eles em St. Louis; Este evento marcou o escritor para o resto da vida; Depois de deixar o México Burroughs passou vários meses na América do Sul onde procurou uma droga chamada Yage que prometia habilidades telepáticas a quem a usasse;

Geografia: Burroughs foi um cidadão do mundo e viveu durante temporadas em algumas cidades como: Novo México, Boston, Nova Iorque, Áustria, Chicago, México, Amazónia, Tânger, Paris, Londres, Kansas, entre outras;

Conhecido por: Escritor, pintor e crítico social do século XX; Foi um autor pós-modernista e uma figura primária da Geração Beat; Influenciou consideravelmente a literatura e a cultura pop ocidental;

Literatura: Escreveu 18 romances, 6 coleções de histórias curtas e 4 coleções de ensaios; Entrevistas e correspondências também estão publicadas em livro; Grande parte do trabalho de Burroughs é autobiográfico, deve-se em parte às suas experiências com o vício da heroína enquanto vivia na Cidade do México, em Londres, Paris, Tânger e na Amazónia sul-americana; O seu primeiro romance autobiográfico “Junkie”(1953) foi um livro de grande sucesso mas a sua obra mais reconhecida é “Naked Lunch” (1959), um livro altamente controverso que foi objeto judicial por violar as leis da sodomia dos EUA;

Arte:
Colaborou com músicos e fez várias aparições em filmes; Criou e expôs muitas pinturas e obras de arte visuais incluíndo as suas célebres “Gunshot Paintings”; Em 1991, com a aprovação de Burroughs, o realizador David Cronenberg adaptou “Naked Lunch” para cinema;

Frase: “Um paranoico é alguém que sabe um bocadinho daquilo que vai acontecendo; Um psicótico é alguém que acabou de descobrir o que está a acontecer.”

TeresaRolla.com