Karl Popper: A civilização ocidental

Fevereiro 10, 2017/Excerto

“Mas será esta civilização ocidental algo de bom, algo que mereça ser aclamado? Esta questão tem sido colocada repetidamente, pelo menos desde Rousseau, e muito especialmente por jovens sempre em busca de algo melhor. Esta questão é, pois, característica da actual civilização, a civilização mais autocrítica e mais reformista do mundo. (…)

Creio que a nossa civilização ocidental, apesar de tudo o que, com razão, se lhe pode censurar, é a mais livre, a mais justa, a mais humana, a melhor de que temos conhecimento na história da humanidade. É a melhor porque é a mais predisposta ao aperfeiçoamento. (…) Certamente que necessita de ser aperfeiçoada. Mas, ao fim e ao cabo, é a única civilização em que todos colaboram para o seu aperfeiçoamento, tal como este é por nós entendido.

Uma sociedade perfeita não é possível, como facilmente se poderá constatar. Em relação a quase todos os valores que deveriam ser realizados pela sociedade, existem outros valores que com eles vão colidir. Até mesmo a liberdade, porventura o mais elevado dos valores sociais e individuais, deve ser restringida, na medida em que a liberdade do João pode muito facilmente entrar em colisão com a liberdade do Pedro. Como disse uma vez um juiz americano ao réu que invocava a sua liberdade: “A liberdade dos seus punhos acaba onde começa o nariz do seu vizinho”. Eis-nos pois na formulação feita por Immanuel Kant, segundo a qual cabe à legislação possibilitar a coexistência da liberdade máxima de cada um com a liberdade máxima de todos os outros. (…)

Outro exemplo é o da paz, por que todos nós hoje em dia ansiamos mais urgentemente do que nunca. Queremos ou devemos fazer tudo para evitar conflitos ou, pelo menos, para os reduzir. Por outro lado, uma sociedade sem conflitos seria inumana. Deixaria de ser uma sociedade humana, e passaria a ser um formigueiro. Não devemos esquecer que os grandes pacifistas foram também grandes lutadores. O Mahatma Gandhi foi um lutador – um lutador da não violência.

A sociedade humana necessita de paz, mas necessita igualmente de conflitos sérios e de ideais: de valores, de ideias pelos quais possamos lutar. Na nossa sociedade ocidental aprendemos – aprendemos com os gregos – que é possível fazê-lo, não tanto com a espada, mas muito melhor e mais persistentemente com palavras. E, sobretudo, com argumentos razoáveis.

[Karl Popper, Em busca de um mundo melhor, Expresso, 29 de Abril de 1989]

TeresaRolla.com