9 razões para a crise democrática que vivemos hoje:

Outubro 10, 2016/Excerto

1) Há uma alteração clara do espaço operativo da política – uma transferência de competências do nível nacional para o nível supranacional (no nosso caso, europeu);

2) As populações são cada vez mais cultas e independentes, o que quer dizer mais críticas e menos atenciosas no que diz respeito às elites políticas;

3) Os cidadãos percebem bem que a capacidade do poder político nacional ficou muito mais limitada do que no passado (embora a retórica política pública nacional não dê qualquer mostra de se ter apercebido do mesmo);

4) O quadro institucional europeu é considerado pelos cidadãos como incompreensível, pouco transparente e carecido da proximidade necessária a uma relação de confiança;

5) As lideranças de hoje defrontam-se com um escrutínio público mais intensivo e abrangente do que as do passado – o que acarreta não só um peso acrescido à função política como pode inibir a decisão individual de envolvimento na vida pública;

6) As elites políticas são cada vez mais vistas como “todas iguais” e essencialmente impotentes;

7) Grande parte da população acha que assuntos importantes não são abordados (adequadamente) pelas elites políticas;

8) Há um significativo aumento das desigualdades sociais, quer entre países quer dentro de cada país (dos ditos desenvolvidos!);

9) O silêncio e a omissão das lideranças democráticas em relação a estas questões só pode abrir o caminho para as tentações populistas e tantas vezes antidemocráticas;

[Esta lista foi elaborada no decurso da leitura da Revista Semestral XXI – Ter Opinião , As Democracias em Sobressalto, da Fundação Francisco Manuel dos Santos]

Boa semana, Rock and Rolla

TeresaRolla.com